domingo, 26 de outubro de 2008

Manifesto de apoio ao ANDES-SN

Diante da ameaça de criação de um sindicato paralelo ao Sindicato Nacional dos Docentes do ensino Superior, o ANDES, vários intelectuais lançaram um manifesto de defesa da entidade. O texto é assinado por Aziz Ab´Saber, Dermeval Saviani, Gaudêncio Frigotto, Leandro Konder, Lisete Arelaro, Plínio de Arruda Sampaio, Reinaldo Gonçalves, Ricardo Antunes, dentre outros.
Eu assino em baixo e destaco alguns trechos importantes do manifesto:

“O ANDES-Sindicato Nacional construiu sua história em estreito contato com os inúmeros problemas da sociedade brasileira, mormente aqueles concernentes à educação pública, em todos os seus níveis e modalidades, à ciência e à tecnologia, visando a construir formas de abordá-los, na busca de solução para a enorme desigualdade social e na perspectiva da soberania nacional.
(...) Essa inserção do ANDES-SN na vida nacional garantiu-lhe, ao longo do tempo, o reconhecimento público, pela sociedade e pelo Estado, e a legitimidade de um sindicato classista, autônomo, democrático e combativo.
(...) Num país cuja história sindical é marcada, desde a era Vargas, pelo atrelamento da grande maioria das organizações de trabalhadores ao Estado, o ANDES-SN se caracteriza como exceção, por sua firme organização pela base e pela articulação permanente da luta específica da categoria docente com as lutas mais gerais de toda a população brasileira.
(...) No presente cenário, a represália a essa postura autônoma se dá por meio da suspensão do registro sindical do ANDES-SN pelo governo federal e do fomento, por este último, à constituição de organização paralela, objetivando obter, por meio desta, sustentação às suas ações, que, freqüentemente, retiram direitos dos trabalhadores e se esquivam diante das demandas legitimamente apresentadas pela categoria docente.
Referenciados neste histórico de lutas e julgando importante a manutenção desta perspectiva, os abaixo-assinados registram seu apoio ao ANDES Sindicato Nacional, seu reconhecimento da legitimidade dessa entidade para representar os docentes das instituições de ensino superior e seu repúdio às ações divisionistas, no seio da categoria, como acima mencionado”.

3 comentários:

eloy borges disse...

Aqui no Pará foi criada a seção sindical de um tal Sindicato Nacional de Pedagogos, que nem sabíamos existir, não tem nenhuma representatividade e o governo estadual quer tratá-lo no mesmo nível do SINTEPP, numa clara tentativa divisionista.

Anônimo disse...

Talvez por ´não ser da área de Pedagogia o Sr. Eloy não conheça o SINAPE, num descaso total com os militantes desta área até porque o seu SINTEPP nunca lutou por nada das causas de nós pedagogos, a vitória maior alcançada recenetemente com o reconhecimento de perdas salariais dos pedagogos foi alcançada pelo SINAPE e isso despertou uma "ciumeira" no enfant terrible, sua posição jocosa e fascista é mensurada pelo oportunisomo com que o SINTEPP trata as causas populares hoje no Pará, lembra CRIA CUERVOS de Carlos Saura, um amontoado de corvos a espreita de algo para saciar sua sede minimalista de poder, ora Sr. preocupe-se com seu Sindicato que está falindo e esqueça o nosso que está em franca ascensão, mirem-se no exemplo do SINPRO-PA, que sabe fazer política sindical e não partidária... ok psolista?
Att.
Carlos Lombardo
Pedagogo

tequinha disse...

Realmente o SINAPE abriu as portas e a Delegacia Regional dos Pedagogos realizou uma façanha que o SINTEP não fez e agora já temos juridicamente estabelecido o Sindicato Dos Pedagogos do Estado do Para para discutir com a categoria os problemas que nos afligem.
Ester Leal
´Pedagoga de Belém do Pará