quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Escândalo da Merenda Escolar – parte 02

O escândalo de fraudes no fornecimento de alimentação escolar em São Paulo trouxe para o debate uma das estratégias de privatização do ensino em nosso país. Por trás dos desvios se esconde um esquema de terceirização dos serviços públicos na maior prefeitura do país.
Como todos sabem existem vários mecanismos utilizados para repassar ao setor privado serviços que deveriam ser prestados pelo Estado. O mais escancarado é a venda de uma empresa ao setor privado, como foi largamente feito no período FHC. É possível privatizar também precarizando a oferta pública e liberalizando a oferta privada, cujo exemplo mais bem sucedido é a oferta do ensino superior em nosso país, obra iniciada por FHC e zelosamente continuada por Lula.
Porém, existem formas menos evidentes, mas não menos eficientes. Existe a concessão do direito de exploração de determinado serviço que antes era público, como no caso das rodovias. E temos o processo de terceirização de funções e serviços que eram executados diretamente pelo poder público. Assim foram terceirizados os serviços de limpeza urbana de nossas cidades, a vigilância e a limpeza das unidades de saúde e de muitas redes escolares. Como regra os trabalhadores terceirizados ganham menos do que os servidores públicos, mas não há economia para os cofres públicos, sendo direcionado vultuosos recursos para as empresas gerenciadoras do serviço. Existe ainda o estímulo a criação de OSCIPs para assumirem a prestação direta de serviços, tudo isso regiamente pago com nossos impostos.
A alimentação escolar de São Paulo foi terceirizada. É o final da linha de um processo que já foi ultra-centralizado no governo federal, foi descentralizado para os estados e depois para os municípios e em alguns casos para as unidades executoras existentes nas escolas.
O escândalo paulista é, ao mesmo tempo, parte do processo endêmico de corrupção, mas também fruto do processo de lenta privatização da educação em nosso país.

Um comentário:

Anônimo disse...

O HOMEM QUE FICOU RICO POR ROUBAR A MERENDA ESCOLAR DO PAÍS

O senhor UBIRAJARA PEREIRA DE BRITO, mais conhecido como o "Demónio BIRA", é um LADRÃO, CORRUPTO e enganador profissional. Se fez quando assumiu a Secretaria Geral do MEC, e depois como Ministro interino. Robou aos montes, era conhecido no meio político como Bira 10%. sem esse pedágio nada era liberado. Chegou a roubar US$ 130 milhões. Além de fazendas que comprava a época entre Minas e Bahia, com o sócio Governador NILTON CARDOSO, hoje Deputado Federal. Colocou o dinheiro em nome de uma das suas filhas que trabalha no Ministério da Ciência e Tecnologia: LUDMILA MARIA BATISTA DE BRITO RIBEIRO. Além desta tinha outros dois filhos que morreram, um por suicídio (Ubirajara Pereira de Brito Júnior, o Birinha Cheirador, 24 anos a época) o qual ocorreu por causa do uso de cocaina constante e depressão, o outro menor de 12 anos (Igor, Iguinho) por puro prazer em não querer chamar uma ambulância. É preciso repatriar e confiscar o que esse LADRÃO ROBOU DO PAÍS, E QUE ESTAR EM NOME DE SUAS FILHAS!


O Senhor UBIRAJARA PEREIRA DE BRITO, ou Demónio BIRA, é ainda um conhecido pedófilo e estrupador de empregadas domesticas. Conhecido pela Polícia Federal, não só do Brasil. Como investigado internacionalmente, é preciso pôr esse tipo de elemento atras das grades. Investiguem melhor a sua vida, o seu rastro, seu histórico é conhecido. Busquem a sua primeira espôsa DARICÉLIA BATISTA DE BRITO (nome de solteira Daricélia Alves Batista, que reside em Salvador). É um CRIMINOSO, profissional, corrupto e nojento estrupador, perigoso e falsario. Que estrupou a própria filha!